informe o texto

Notícias | Polícia

Seis vítimas de agente preso por tortura e cárcere dizem que ele as obrigava a beber urina e a tatuar o nome dele em MT

Agente foi preso nesta semana, após a mulher fugir com o filho e denunciá-lo. Outras seis vítimas registraram boletim de ocorrência contra Edson Batista por tortura.

23 Nov 2019 - 15:52

MT 40 GRAUS

Seis vítimas de agente preso por tortura e cárcere dizem que ele as obrigava a beber urina e a tatuar o nome dele em MT

Edson Batista Alves, de 35 anos, foi preso em Cuiabá — Foto: Facebook/Reprodução


O agente penitenciário Edson Batista Alves, de 35 anos, preso em Cuiabá suspeito de torturar e manter em cárcere privado a mulher dele e o enteado de 6 anos, foi denunciado por outras seis mulheres que tiveram relacionamentos amorosos com ele. Uma delas, registrou quatro boletins de ocorrência contra o agente.

As vítimas relataram que Edson as obrigou a tatuar o nome dele. Segundo elas, caso não atendessem ao pedido, eram espancadas.

De acordo com essas mulheres, durante as sessões de tortura, o agente as obrigava a beber a urina dele em um copo.

Uma das ex-mulheres de Edson, que não quis ter a identidade divulgada, contou à reportagem que o suspeito deu o primeiro tapa nela logo no início do casamento. Em seguida, ele teria se ajoelhado diante dela e prometido nunca mais fazer aquilo.
 
“Depois tivemos uma discussão e disse que queria terminar. Ele me agrediu muito e eu precisei ajoelhar e dizer que queria ficar com ele. Edson sempre foi muito obcecado e doente. É uma pessoa muito ruim”, relatou.
 
A vítima disse ainda que, recentemente, o suspeito foi até a casa e tentou obrigá-la a entrar no carro, mas ela se recusou. “Ele disse que vai me matar, disse com todas as letras”, contou.

As mulheres contaram ainda que as sessões de tortura chegavam a durar horas.


Mulher era espancada e ameaçada pelo marido — Foto: TVCA/Reprodução

Tortura e cárcere
Edson Batista foi preso na madrugada dessa quinta-feira (21) após a mulher dele e o enteado fugirem e procurarem a polícia.

Segundo a polícia, a mulher e a criança eram torturadas e mantidas em cárcere privado há duas semanas. Edson chegou a quebrar o braço do enteado e o obrigou a gravar um vídeo dizendo que tinha sofrido a fratura em um acidente.


Menino foi queimado com água quente pelo padrasto — Foto: TVCA/Reprodução

As vítimas possuem vários hematomas pelo corpo. Elas relataram que, além de socos e chutes, eram espancadas com fio de carregador, cabo de vassoura e até queimadas com água quente.

A mãe da criança namorou Edson por três meses. Ela se mudou com o filho de Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, para a capital para morar com Edson há duas semanas.

Ela disse à polícia que desde que começaram a morar juntos foi mantida trancada em casa e o suspeito passou a ser agressivo.

A criança afirmou que Edson chegou a colocar a cabeça dela na privada durante as agressões.


Criança teve o braço quebrado ao ser espancada pelo padrasto — Foto: TVCA/Reprodução

O menino disse ainda que fingia dormir quando a mãe era espancada. No entanto, nesta semana, o padrasto percebeu que ele estava acordado e o espancou. Além dos hematomas, o menino teve o braço quebrado.

A criança foi encaminhada desacordada ao hospital.
 
“Ele me batia, me chutava. Ele prendia meu braço e me chutava na barriga. Tive que aguentar”, contou.
 
Segundo a mãe, além das agressões, o suspeito ameaçava o filho dela de morte, caso ela o denunciasse.
 

A vítima contou que nessa quarta-feira (20) eles foram a um jantar na casa de amigos e ela conseguiu fugir com o filho durante a madrugada quando o suspeito foi ao banheiro. Ela procurou ajuda em uma base da Polícia Militar, em Cuiabá.


Edson Batista Alves, de 35 anos, foi preso em Cuiabá — Foto: Facebook/Reprodução

A prisão
Segundo a polícia, após descobrir a fuga da mulher, Edson ainda teria rastreado o celular dela. Ele foi preso rondando a base da polícia.

Após a prisão, o suspeito foi encaminhado para audiência de custódia e a Justiça converteu a prisão em flagrante em preventiva.

Ele foi encaminhado para um presídio militar, em Santo Antônio de Leverger.

O agente atuava no Setor de Operações Especiais (SOE), mas estava afastado do trabalho por violência doméstica e era monitorado por tornozeleira eletrônica. Fonte: G1-MT

 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet