informe o texto

Notícias | Justiça

Justiça mantém ação contra Arcanjo por desvios na Assembleia

Processo contra ex-comendador retomou em 2019 após extradição do mesmo por autoridades Uruguaias

05 Ago 2021 - 11:50

MT 40 GRAUS

Justiça mantém ação contra Arcanjo por desvios na Assembleia

O ex-comendador João Arcanjo Ribeiro, que teve recurso negado pelo TJ

Foto: MidiaNews




A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça negou recurso do ex-comendador João Arcanjo Ribeiro e manteve a ação penal em que ele é réu pelos crimes de lavagem de dinheiro, peculato e associação criminosa. A decisão foi publicada na quarta-feira (4).

 

A ação é oriunda da Operação Arca de Noé, que apurou um esquema de desvio de milhões de reais da Assembleia Legislativa entre os anos de 1999 e 2002. 

 

O processo contra Arcanjo foi desmembrado dos demais acusados e se manteve suspenso até 2019, quando foi autorizada a extensão da extradição do mesmo pelas autoridades Uruguaias, onde Arcanjo foi preso em 2003. 

 

No recurso, a defesa do ex-comendador alegou ausência do contraditório e da ampla defesa na extradição do processo para a Justiça brasileira.

 

Ausente a demonstração de violação à ampla defesa e ao contraditório, impõe-se o desprovimento do recurso
Em seu voto, o relator do recurso, desembargador Paulo da Cunha, afirmou que o pedido de extensão se deu de forma regular. 

 

"A hipótese dos autos diz respeito à extradição ativa, requerida pelo Ministério da Justiça do Brasil ao Governo Uruguaio, que analisou e deferiu o pedido de extradição, bem como a sua extensão evidenciada a regularidade do pedido de extensão da extradição e ausente a demonstração de violação à ampla defesa e ao contraditório, impõe-se o desprovimento do recurso”, diz trecho do voto.

 

O voto do relator foi acompanhado pela unanimidade. 

 

Arca de Noé

 

Já foram condenados pelo caso os ex-deputados José Riva  e Humberto Melo Bosaipo, o ex-chefe de gabinete Geraldo Lauro e Guilherme da Costa Garcia, Nivaldo de Araujo, Nilson Roberto Teixeira, Joel Quirino Pereira, José Quirino Pereira e João.

 

Segundo investigações, o grupo promovia desvio de recursos na Assembleia Legislativa (ALMT) e os cheques pagos à empresas de fachada eram trocados na empresa Confiança Factorin, da qual Arcanjo é dono, e o dinheiro era dividido entre os membros do esquema.

 
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet