13 de agosto de 2022
Destaques Política

Sendo Mauro candidato, WO é improvável, mas analistas creem em cumpridores de tabela

Se decidir ser candidato à reeleição neste ano, o que é muito provável, o governador Mauro Mendes (União) entrará no diminuto e seleto ‘grupo’ em que já estão os ex-governadores Jaime Campos (na época do PFL) e Dante de Oliveira (PDT), que venceram as eleições em 1990 e 1994, respectivamente, com percentuais superlativos, já que os adversários apenas cumpriram tabela. O cenário hoje parece se repetir, com a diferença que serão apenas dois concorrentes.

Jayme Campos tornou-se governador reunindo  400,5 mil votos, numa eleição em que o adversário, Agripino Bonilha (PMDB), ‘cumpria tabela’ e teve pouco mais de 83 mil votos. Quatro anos depois, em situação semelhante, Dante bateu Oswaldo Sobrinho de 471 mil votos a 167 mil votos, quando ainda não havia o segundo turno.

Nos esportes, há três condições que indicam vencedores numa disputa: na primeira, os adversários vão à luta e combatem decididos a vencerem; na segunda, um dos adversários vê que não tem chances, mas mesmo assim vai para o confronto; e a terceira é quando, acorvadado ou por questões inexplicáveis, um dos adversários simplesmente não comparece ao estrado.

Ainda se pode sentir ventos sopram do Nortão sinalizando a formação de uma frente que poderia encarar a disputa sucessória estadual e agourar os planos de Mendes, como sonhavam seus mentores (ex-prefeitos e prefeitos, ex-deputados e empresários), mas a ideia aventada que começou promissora, e tornou um voo de galinha. Por isso mesmo, analistas expressaram, assim que  os rumores surgiram, pouca confiança de que os planos ganhassem força.

Camargo acrescenta que o WO é improvável, mas Mauro Mendes ainda não tem adversário ou adversária à altura e o debate político praticamente não existe.

Este ano é um ano atípico no que tange eleições mato-grossenses. Há anos não se via uma disputa sucessória chegar a um mês das convenções com dois candidatos apenas. Mesmo que fosse para ganhar espaço nas propagandas eleitorais gratuitas do rádio e TV, sempre houve de quatro a seis ou sete candidatos, o que não apraz os opositores de Mendes na atualidade.

O professor universitário mineiro Josué Eurico Sanches Mattos, coque durante anos acompanha a trajetória politico-partidária do estado, onde mora atualmente, diz que é incomum situação com se vê hoje e que ou Mauro Mendes ou quem ele e o partido indicarem, em caso de desistência, têm o resultado das eleições deste ano em mãos.

Já o jornalista e editor de Política em vários jornais, além de ter atuado como secretário de Comunicação, diz que a atipicidade do quadro revela uma polarização radical, mas com uma tendência muito forte de um vencedor.

No início da semana passada, com a melhora do quadro clínico da primeira-dama, Virgínia Mendes – que era a principal condicionante da candidatura de Mauro – , o clima de entusiasmo fortaleceu a posibilidade do governador, enfim, buscar a reeleição.

Fonte: Vgn Notícias

Posts Relacionados